Arquivo

Archive for julho \25\UTC 2011

A incapacidade Moral

(Google Imagens)

Estas foram as palavras da mãe de Amy: “Sua morte era apenas uma questão de tempo”.
Uma cantora bem sucedida, com 13 milhões de cópias vendidas, 5 prêmios Grammy, além de outros!

Jim morrissom, ex-vocalista da Banda de rock Doors, morreu por overdose de heroína!

Janis Joplin, morreu por overdose de heroína!

Jimi Handrix, morreu sufocado em seu próprio vômito, depois de associar, anfetaminas, sedativos a LSD em pó!

Kurt Cobain, ex-vocalista da Banda Nirvana, suicidou-se com um tiro na cabeça, com certeza em função de drogas!

Brian Jones, fundador da Banda The Rolling Stones, encontrado morto na piscina da mansão em Londres. Overdose, seguida de afogamento!

Robert Johnson, guitarrista americano de blues. Morreu vítima de pneumonia, associada à whiski com estricnina (veneno).

Diante destes e de outros fatos semelhantes, a conclusão que chegamos é a seguinte: O homem sem Deus é moralmente incapaz de viver uma vida íntegra, saudável mentalmente, em paz consigo mesmo e com a sociedade.

No livre arbítrio que Deus dá ao homem, normalmente ele opta por transgredir os preceitos de Deus, mesmo porque não tem conhecimento do Mesmo, ou O conhece vagamente por informações, tradição familiar, etc.

A Bíblia diz que a inclinação do coração do homem é propenso para a busca de seus próprios interesses que vão de, egoísmo, luxúria, adultério, fornicação, inimizade, orgulho, depravação geral etc.

O homem sem Deus, sente-se impotente diante das suas incapacidades, e é levado ao desespero, tentando resolver seus conflitos internos. Uma vez que não consegue apela para todos os meios de auto-satisfação, como drogas de todos os tipos, sexo, suicídio etc., pensando que através desses meios conseguirão a paz, ou pelo menos aliviar-se do vazio que toma conta de todo o seu ser.

Alguém disse que a incapacidade humana é semelhante a uma pessoa que segura uma escada com as próprias mãos, enquanto tenta subir os degraus, o que é totalmente impossível!

O orgulho humano o impede de reconhecer que necessita de Deus, e que sem Deus é impossível viver e se locomover! Reconhecer a dependência de Deus para muitos significa, rebaixar-se, humilhar-se, despir-se do seu ego, o que torna impossível tal procedimento. E, em função do não reconhecimento da dependência de Deus, optam por outras dependências, que conforme já mencionadas o levarão a própria destruição e morte!

É preciso reconhecermos que nenhuma vespa pode fabricar mel; antes de fazê-lo é necessário que se transforme em abelha. E, que nenhuma pessoa poderá chegar ao céu, se não reconhecer a sua total dependência de Deus, e sua incapacidade moral em conseguir por si próprio!

E o  sobrenome de Amy, era Winehouse, de origem Havaiana. Mas se pudéssemos fazer uma tradução simples das palavras que o compõem, seria: Casa do vinho! E foi através da bebida e das drogas que ela suicidou-se! Creio que este sobrenome seria uma porta de abertura, para que o inimigo facilitasse a sua trajetória, e ensejasse o seu fim!

Por Pr.Silvio Hirota.
Em 25/07/2011
 
Anúncios
Categorias:Mensagem

População evangélica no Brasil atingirá 57,4 milhões em 2011

(Imagens Google)

Segundo a Sepal (Missão Internacional Servindo ao Pastores e Líderes, projeta-se este número para 2011, ou seja, 57,4 milhões, e, para 2020, há uma projeção de que os evangélicos no Brasil serão 109,3 milhões. Seguindo o Censo do IBGE, a população brasileira em 2020, será de 209,3 milhões. Sendo assim, os evangélicos serão 52,2% da população brasileira.

A Revista Época também divulgou no ano de 2010 estudos sobre o crescimento da população evangélica, avaliando que os evangélicos influenciaram em todas as esferas da vida brasileira.

Fato importante: Segundo a referida revista, para os Teólogos e Antropólogos, a população evangélica a partir do crescimento numérico contribuirá para a diminuição do consumo de álcool, o aumento da escolaridade e a diminuição do número de lares desfeitos.

Na opinião de Luís André Bruneto, pesquisador da Sepal, não se trata de um avivamento, mas que o avivamento se reflete “na conversão em massa das pessoas, como também, em profundas mudanças no pensamento da sociedade, direcionada pela influência dos cristãos redimidos. Se tomarmos estas duas linhas de pensamento, não está acontecendo um avivamento no Brasil”

Podemos ficar felizes com estas informações estatísticas? Creio que sim, uma vez que é sabido que a Igreja Evangélica brasileira, assusta diversos outros seguimentos religiosos, em função da agressividade do seu evangelismo, e do testemunho pessoal, de cristãos genuínos que estão falando do amor de Jesus, aos seu colegas de escola, trabalho, família, vizinhança etc.

Que continuemos avançando, porque logo chegará o dia em que nada mais poderemos fazer!

Por Pr.Silvio Hirota
Em 18/07/2011

Um Herói da Fé!

Imagens Google

A Suprema Corte do Irã afirmou que um pastor evangélico acusado de apostasia pode ser executado caso não desista de sua fé, de acordo com a cópia do veredito obtido por um grupo de ativistas do direito de religiosos.

A ONG Christian Solidarity World conta que Yousef Nadarkhani, pastor nascido no Irã, foi preso em 2009 e condenado à morte no fim do ano passado. Ele pode ter a sentença suspensa caso renuncie à sua religião.

Pessoas próximas a Nadarkhani dizem que é pouco provável que ele faça o que é pedido pela Justiça iraniana. Caso Nadarkhani não renuncie à fé cristã é incerto o que poderá ocorrer com ele.

Cristãos e grupos pró-direitos humanos dizem que apostasia não é um crime previsto no Código Penal iraniano.

Nadarkhani se converteu ao cristianismo quando ainda era adolescente. Ele trabalhava como pastor evangélico e converteu diversos muçulmanos ao cristianismo. (Fonte Uol notícias Internacional)

Isto me faz lembrar de Hebreus 11, que mostra a Galeria dos Heróis da Fé, onde relata que muitos foram cerrados ao meio, cortados pelas espadas, atirados às feras, separados de seus familiares etc. E o texto Bíblico diz que o mundo da época não era digno deles.

O mundo atual não é digno de Yousef Nadarkhani!

Por Pr. Silvio Hirota
Em 15/07/2011

Categorias:Reflexão

Falsidade humana!

Imagens Google

Cada dia que passa, me desaponto mais e mais com este aspecto da humanidade. Aliás, sábio é quem pratica o que a Bíblia diz: “Maldito o homem que confia no homem”! Mas, meus queridos amigos, sempre no fundo, desejamos dar mais um voto de confiança. Acreditar mais uma vez nas pessoas, porém, a decepção tem sido sempre certa. A falsidade, atrelada ao pré-julgamento e maledicência são os grandes problemas da comunicação do Século 21.

Lamentavelmente, hoje podemos confiar apenas em algumas poucas pessoas do nosso relacionamento mais íntimo, porque sabemos que elas nunca nos decepcionarão. No geral, está muito difícil acreditarmos em pessoas, porque elas estão como “camaleão” mudando de cor, ou seja de atitude de acordo com os próprios interesses, independentemente da verdade ou da mentira, do prejuízo que causará ao seu próximo.

O que importa é se dar bem, os outros que desculpem a expressão: “se lasquem”…
E assim, lares são destruídos, amizades de anos abaladas, namoros derrotados, enfim, um grande estrago é feito por pessoas inescrupulosas que se esquecem que tudo o que se planta, colhe!

Mas o dia chegará, em que o joio será separado do trigo, e somente a verdade prevalecerá. Sei que na Terra isto jamais acontecerá! Então me contento em plantar verdades, perdoar sempre, e assim amontoar um monte de brasas nas cabeças dos falsos!

Senhor Jesus, perdoe-nos porque sabemos o que fazemos e continuamos fazendo!

Por Pr. Silvio Hirota
Em 15/07/2011

Categorias:Reflexão

A Astrologia e a Bíblia!

A Bíblia ensina que a astrologia não é somente uma atividade inútil (sem valor), mas algo tão mau que sua simples presença indica que o juízo de Deus já ocorreu (Atos 7.42-43). Tanto como filosofia ou como prática, a astrologia rejeita a verdade relativa ao Deus vivo, e em seu lugar conduz as pessoas a objetos mortos, como os astros e planetas. Assim como a Bíblia ridiculariza os ídolos, também o faz com os astrólogos e suas práticas (Isaías 47.13).

Entretanto, isto não tem evitado que a maioria dos astrólogos declare que a Bíblia apóia favoravelmente a astrologia. Jeff Mayo, fundador da Escola Mayo de Astrologia, declara que “a Bíblia está cheia de referências astrológicas”. Joseph Goodavage, autor de Astrology: The Space Age Science (Astrologia: A Ciência da Era Espacial) e Write Your Own Horoscope (Escreva Seu Próprio Horóscopo), declara que “a Bíblia está cheia da” filosofia da astrologia.[1]

Os astrólogos “justificam” tais afirmações da mesma maneira que muitas seitas citam a Bíblia como evidência de seus próprios ensinamentos falsos e anti-bíblicos. Eles distorcem as Escrituras até ensinarem algo contrário à Bíblia.[2] Qualquer passagem bíblica que refute tais ensinos é simplesmente ignorada, mal interpretada, ou eliminada. Pode-se provar que todo texto bíblico citado pelos astrólogos para provar que a Bíblia apóia a astrologia foi mal interpretado ou mal aplicado.[3] Assim como a água e o óleo não se misturam, a Bíblia e a astrologia são totalmente incompatíveis. Alguns não-cristãos também admitem que existe “um abismo ideológico permanente entre ambas as crenças”.[4]

Historicamente o cristianismo tem-se oposto à astrologia por três razões bíblicas. Primeiro, a Bíblia explicitamente rejeita a astrologia como uma prática inútil (sem valor). Uma prova disso está em Isaías 47.13-14, onde Deus afirma: “Ja estás cansada com a multidão das tuas consultas! Levantem-se pois, agora os que dissecam os céus e fitam os astros, os que em cada lua nova te predizem o que há de vir sobre ti. Eis que serão como restolho, o fogo os queimará; não poderão livrar-se do poder das chamas; nenhuma brasa restará para se aquentarem, nem fogo para que diante dele se assentem.” Aqui vemos que, em primeiro lugar, Deus condena o conselho dos astrólogos babilônicos. Em segundo lugar, Deus disse que suas predições baseadas no movimento dos astros não os salvariam do juízo divino que se aproximava. Finalmente, Deus disse que o conselho dos astrólogos não era inútil somente para os outros, mas que nem os salvaria a eles mesmos (Deuteronômio 4.19; 17.1-5; 18.9-11; 2 Reis 17.16; 23.5; Jeremias 8.2; 19.13; Ezequiel 8.16; Amós 5.26-27).

A segunda razão bíblica pela qual o cristianismo tem-se oposto à astrologia é porque Deus proíbe as práticas ocultas. Basicamente, a astrologia é uma adivinhação. Esta é definida pelo Webster’s New Collegiate Dictionary (1961) como “o ato ou prática de prever ou predizer atos futuros ou descobrir conhecimento oculto”. No Webster’s New World Dictionary (1962), a astrologia é definida como “a arte ou prática de tentar predizer o futuro ou o conhecimento por meios ocultos”. Por ser uma arte ocultista, Deus condena a adivinhação como mal e como uma abominação para Ele, dizendo que ela leva ao contato com maus espíritos chamados de demônios. (Deuteronômio 18.9-13; 1 Coríntios 10.20).

Finalmente, a Bíblia repudia a astrologia por levar as pessoas à terrível transferência de sua lealdade ao infinito Deus do Universo para as coisas que Ele criou. É como dar todo o crédito, honra e glória às magníficas obras de arte, esquecendo completamente o grande artista que as produziu. Nenhum astrólogo, vivo ou morto, daria às pinturas de Rembrandt ou Picasso o mérito que corresponde aos autores, mas eles o fazem rotineiramente com Deus. Entretanto, Deus é infinitamente mais digno de honra que os homens, pois é Ele quem fez “os céus e a terra” e em Suas mãos está a vida de todos os homens (Gênesis 1.1; Daniel 5.22-23).

Por Pr. Silvio Hirota
Em 02/07/2011